Histórias de uma Boutique Sensual – Episódio 2 – A esposa, a amante e o amante.

Estar em uma boutique sensual traz consigo momentos de muita graça e também algumas situações em que os clientes sentam e abrem suas vidas como se estivessem em um divã de terapia. Não vou revelar nomes, pois para trabalhar com o meu ramo de atividade é preciso ter a mesma ética profissional de sigilo que um psicólogo/médico com seus pacientes. Então, para o meu personagem de hoje, criei um apelido. Vou denominá-lo de Senhor M.

Pois bem: um belo dia estou na loja e a minha funcionária estava em horário de almoço. Fui então atender um cliente que entrou e disse que necessitava de uma prótese peniana e umas amarras, pois ele tinha um amante e iria encontrá-lo para uma surpresa (deixando claro que não existe em nosso negócio, nenhum tipo de preconceito, atendemos todos os clientes de forma muito natural, pois o universo do sexo pra gente é natural.) Mostrei algumas próteses, ele escolheu a que interessou e depois escolheu as amarras. Pagou e saiu da loja.

Foto: reprodução

Foto: reprodução

Um outro dia depois desse ocorrido, meu celular toca enquanto estou em casa. Era minha funcionária perguntando se eu estava indo pra loja, pois o Senhor M., estava lá e dizia que só queria ser atendido por mim. Informei que estaria na loja em instantes. Chegando lá ele pediu para ter uma conversa em particular comigo já que ele tinha contado uma parte da historia para mim. Pedi para minha funcionária ir para o mezanino da loja e ele começou a falar:

– É que você me atendeu aquele dia e como você já sabe parte da história eu gostaria de manter isso só entre a gente. Você lembra que eu vim comprar uma prótese para o meu amante né?

– Sim lembro sim, o presente fez sucesso?

– Fez bastante, só que dessa vez eu vim comprar uma coisinha diferente para MINHA amante.

– Claro! O senhor tem algo em mente?

– Gostaria de uma indicação sua. Quero algo que esquente e também um anestésico. E quais fantasias você tem?

Ele levou alguns óleos, pomada anestésica e uma fantasia de feminina de militar. E eu fiquei pensando: Nossa! Um amante, uma amante e uma esposa? Será que tem mais? – ri comigo mesma. – e eu que pensava que isso só acontecia em novela.

Passada uma semana, eis que em um sábado aparece o Senhor M., entra rapidamente na loja e diz: “nunca estive aqui” e sai. Em seguida ele retorna na loja com uma mulher e me apresenta ela como esposa, muito bonita, corpão, cabelão, simplesmente um mulherão! Arrumadíssima! Super chic! Ele olha pra ela e fala: “escolhe uma camisola bem bonita pra você amor!” Ela começa a olhar camisola de algodão, microfibra e afins. Perguntei:

– Qual a ocasião?

– Estamos completando 9* anos de casamento. Queremos comemorar! – ela disse.

Eu pensei: “querem comemorar com uma camisola de algodão?”.

Mostrei diversas camisolas, conjuntos de soutien e calcinha, e até mesmo fantasias. Ela disse que era tudo muito vulgar para ela. Que ela prefere o lado mais básico. Comprou uma camisola de algodão. E ganhou um amante e uma amante de brinde para satisfazer tudo aquilo que ela acha nojento e vulgar e que o marido tanto gostaria. E aí eu pergunto: o fato da mulher não gostar deste ou aquele apetrecho são justificativas para um caso como este? E essas mulheres que se produzem extremamente, passam uma super imagem de mulher fatal e depois não coincidem estão certas? Ou será que é tudo falta de diálogo de um tema que ainda gera tabu? O que você acha? Como você resolveria o caso acima?!

*mudei os anos para não coincidir com a realidade.

 

Foto: reprodução

Foto: arquivo pessoal Pri Martins

 

* Pri Martins tem 27, é de Aracaju mas mora em Vitória e é dona de uma Boutique Sensual. Ama ouvir música e tomar cerveja, mas só se a cerveja for boa mesmo! Como toda boa leonina, ri com os outros e, claro, de si mesma, e estreia como nossa mais nova colaboradora através de sua coluna Histórias de uma Boutique Sensual, que promete muito humor e conselhos imperdíveis pra qualquer casal!

Anúncios

5 pensamentos sobre “Histórias de uma Boutique Sensual – Episódio 2 – A esposa, a amante e o amante.

  1. Só vc moça…. hahahaha Não curto essas roupas ditas sensuais, pra mim são vulgares. Uma calcinha de algodão, dependendo do gás que existe entre o casal, acho muito mais válido. Nesse seu caso, falta muito dialogo, sem dúvida. E sem isso, não tem fantasia que de jeito. E sua cliente sabe das “travessuras” do marido viu!

  2. Nossa! O cara dá nó em pingo d’água! O motivo disso, realmente é ele curtir mais do que ele pode ter em casa…
    Que vivência em Pri!?

    • Rapaz, aprendi a não julgar ngm… cada um sabe de sua vida… Mas acredito que falta diálogo nessa relação o que não justifica as traições!… Agora cá entre nós! Ser traída por um homem….ngm merece!!

  3. Mais uma vez, muito bom o texto. Interessante! Me parece o caso de falta de diálogo mesmo, daquele tipo que a mulher se preserva pois acredita que se expor para o marido vai fazer com que ele a ache vulgar demais para ele. Terrível. Toda mulher tem seu lado santa e puta. Afinal acredito que sexo é isso, uma mistura de reações e sintonias.
    Pois bem, mais um texto que é feito pra abrir os olhos e a cabeça das pessoas!
    ADOREI PRI!

Deixe seu recado após o sinal. Beep!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s