A tal guerra dos sexos.

Na época em que vivemos, nós mulheres crescemos ouvindo as mais velhas ao nosso redor dizerem que precisamos ser independentes, que não devemos necessitar de homem algum pra nada, que tudo o que um homem faz nós também podemos fazer e que temos que aproveitar a liberdade que conquistamos para isso. Mas vamos com calma. Até onde isso aí tudo se aplica?

O que tenho visto por aí é como diz o músico Pedro Pondé: “as mulheres conquistaram o direito de serem mulheres, mas a maioria parece que confundiu isso com a vontade de imitar os piores defeitos dos machistas.”. Nós mulheres conquistamos o direito de estudar nas mesmas escolas e universidades que os homens, podemos votar, conseguimos ocupar cargos importantes e até mesmo funções que antes eram exclusivas dos homens. O que não podemos esquecer é que todo extremo é veneno. Todo exagero é desperdício. Quero dizer é que se levarmos a ferro e fogo as frases que citei no início, vamos acabar adotando o mesmo defeito dos machistas.

 

Foto: reprodução

 

Para entender melhor isso, trouxe alguns argumentos. Conceito de machismo: é a crença de que os homens são superiores às mulheres (fonte Wikipédia). Pois bem, então se acharmos que somos superiores aos homens o que muda? Somente o gênero (fem/masc). O defeito permanece o mesmo. A meu ver, que por sinal está longe de ser anti-feminista, todo extremismo é ignorância. Cada um precisa e deve saber a importância de seu papel na sociedade. Exemplo bobo: Deus (ou a ciência – como queira) não fez homem e mulher iguais, mas isso não significa que um seja mais importante que o outro. A mulher é capaz de gerar a vida no ventre, e apesar da estrutura física mais frágil, tem a fortaleza parar aguentar as dores insuportáveis de um parto. O homem possibilita a geração da vida através do seu esperma, tem a estrutura física naturalmente mais rígida, mas às vezes, emocionalmente também se sente vulnerável. E se for assim, então quem é mais forte?

Nenhum dos dois. Cada um possui uma força diferente e um papel diferente. AMBOS necessitam um do outro. Sejamos realistas: essa coisa de competição é passado. É tolice. Se formos inteligentes e tivermos bom senso iremos perceber. A questão fundamental é o respeito ao próximo. Independente do sexo, TODOS temos direitos iguais. Não é porque sou mulher que devo aturar cantadas de baixo nível. E não é porque você é homem que tem por obrigação bancar a mulher, por exemplo. Tudo é uma questão de entendimento e respeito, amor ao próximo. O que levo de lei principal na minha vida é: não faço ao outro o que não gostaria que fizesse a mim. Seja este homem ou mulher.

Anúncios

Deixe seu recado após o sinal. Beep!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s